Paulo Pimenta expõe divergências com Eduardo Leite sobre as enchentes no RS
  • Compartilhe:

Designado pelo presidente Lula para coordenar as ações do governo federal no Rio Grande do Sul, o ministro se manifestou contra o projeto do governador do Estado para criação de cidades temporárias para desabrigados. O ministro Paulo Pimenta, designado pelo presidente Luiz Inácio Lula da Silva para coordenar as ações do governo federal no Rio Grande do Sul, expôs […]

Designado pelo presidente Lula para coordenar as ações do governo federal no Rio Grande do Sul, o ministro se manifestou contra o projeto do governador do Estado para criação de cidades temporárias para desabrigados.

O ministro Paulo Pimenta, designado pelo presidente Luiz Inácio Lula da Silva para coordenar as ações do governo federal no Rio Grande do Sul, expôs divergências com o governador do Estado, Eduardo Leite, neste domingo (19). Ele também afirmou que mais discordâncias sobre as enchentes na região poderão aparecer.

Neste domingo (19), Pimenta se manifestou contra o projeto do governo estadual de criar cidades temporárias para receber pessoas desabrigadas pelas enchentes. “Surgiu agora o debate das tais cidades transitórias. A ideia seria quatro grandes cidades transitórias, com possibilidade de cada uma delas ter até 7.500 pessoas, isso é maior do que a grande maioria das grandes cidades do Brasil. Seriam onde a transição ocorreria”, afirmou o ministro. “Temos outra concepção sobre isso, outra ideia sobre isso”, disse Pimenta.

Segundo ele, o desafio será oferecer opções de habitação de maneira ágil para os afetados. “Esse é o grande debate, como o poder público oferece dignidade e condição para que as pessoas façam uma transição adequada até chegar o momento de elas voltarem a ter uma casa. E aí tem visões diferentes, concepções distintas, que vão aflorar de forma muito intensa a partir dos próximos dias”, declarou Pimenta.

“O Leite falou precisamos de um plano Marshall. Eu tenho falado desde o início, chamo de plano RS. Plano de Recuperação Sustentável. Temos que incluir o tema socioambiental na discussão do projeto futuro tanto da recuperação da infraestrutura quanto da atividade econômica do Estado”, disse o ministro.

Pimenta também disse que o governo Lula “não fará o jogo da disputa pequena nesse momento”, e que as conversas com o governo do Rio Grande do Sul e com prefeitos bolsonaristas serão republicanas. “É evidente que na hora em que a gente senta para discutir as estratégias essas divergências aparecem”, ressaltou em live do Canal do Barão no Youtube, em que respondeu a perguntas de veículos de comunicação que apoiam o governo Lula.

Lula foi alvo de críticas por escolher Pimenta para o cargo porque o ministro é cotado para ser candidato a governador em 2026 e é de grupo político adversário ao de Eduardo Leite. De acordo com críticos, a situação pode causar uma disputa eleitoral prematura em um momento de desastre.

Com informações do Estadão Conteúdo